Hélio Consolaro

Professor, jornalista e escritor. 71 anos.

Dizer que a esquerda foi derrotada com a eleição de Bolsonaro no Brasil é apenas um jogo de palavras, porque na verdade a valorização da democracia no Brasil atual foi construída por governos de centro-esquerda, tanto do PSDB como do PT.

Até outro dia, eu achava o tucanato o pior dos mundos, contaminado pelo jogo de poder no meu Estado, São Paulo. Com a eleição de Bolsonaro e as ações de seu governo, descobri que o PSDB não é tão ruim assim, é uma centro-direita civilizada.

Se os radicais da direita estão acuados atualmente dentro do atual governo, isso se deve à educação promovida pela esquerda quando esteve no governo. A esquerda não foi tão incompetente ao governar.

Se houve o auxílio emergencial à população nesta pandemia (cheio de irregularidades), se deve à implantação do Bolsa Família de Eduardo Suplicy. Se o Fundeb permaneceu, passando por vitória esmagadora na Câmara dos Deputados, foi uma vitória da esquerda, pois mostrou que o fundo é uma ferramenta válida, como avaliou Fernando Haddad. Nesta pandemia, nunca se valorizou tanto o Sistema Único de Saúde, até lideranças da direita se renderam e valorizam o SUS.  

Numa sala de espera de agência bancária, durante a eleição de 2018, ouvi um sujeito dizer em voz alta que votaria em Bolsonaro, “mas se não prestar, a gente tira, no voto, com impeachment”. Não ouvi a palavra golpe militar. Em recente pesquisa feita pela Folha, 75% dos brasileiros apoiam a democracia.

As forças progressistas (chavão bastante usado) não podem reduzir a luta política a uma manobra maniqueísta. O objetivo é construir um mundo de excelência, fazer com que o coração da humanidade seja repleta de bons sentimentos. As recaídas fazem parte do processo de aprendizagem. Como afirma Leonardo Boff, Deus vai escrevendo nas linhas tortas de nossa história.

Às vezes, a direita quer repetir algumas medidas da esquerda e mostra incompetência, falta-lhe a natureza para o social, porque sempre praticou a exclusão. Incluir não é passar a mão na cabeça do pobre.   

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Ninguém tem a memória tão curta para esquecer as constantes denúncias de fraudes que eram feitas pela direita sobre os desvios do programa Bolsa Família quando o governo federal era comandado pelo PT. Na verdade, as denúncias de corrupção no auxílio emergencial são bem maiores, um dinheiro entregue sem nenhuma contrapartida de quem o recebe. Bem parecido com esmola.

Bolsa Família era um programa descentralizado em que todas as forças políticas da nação participavam dele, inclusive as próprias prefeituras. Em ações descentralizadas, as irregularidades são mais possíveis de ocorrer.

Não era como o auxílio de R$ 600,00 cuja administração é feita de forma centralizada, por aplicativo, sem nenhum controle da sociedade, sem preocupação em formar cidadania.

Um governo que desprezou todas as ONGs chamando-as, sem exceção, de corruptas, não iria pedir que elas participassem da distribuição do dinheiro e a fiscalizassem. Afinal, Bolsonaro é um governo que não admite a participação popular. Apenas confia no Twitter, em relações unilaterais.   

EIS ALGUMAS DENÚNCIAS:

  • 189.695 militares receberam indevidamente o auxílio emergencial de R$ 600,00;
  • Dono das lojas Havan foi beneficiado com a ajuda de R$ 600,00 do governo federal;
  • Falhas escandalosas do governo federal permitem fraudes no auxílio emergencial;
  • Até presidiários receberam o abono.

As redes sociais que pareciam algo avançado, e são, pois são ferramentas importantes nas democracias modernas, foi apropriada pela direita para fazer manipulação eleitoral por meio de robôs e ganhar eleição em vários países, como no Brasil. As esquerdas precisam repensar isso, valorizar mais as redes sociais. As forças progressistas têm muito a comemorar se permanecerem juntas nas futuras eleições, não fazendo o jogo do adversário: Valorizar o legado.

Araçatuba-SP